Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Remédios só depois do Carnaval e farmácias fechadas: Lucas Sanches faz nova denúncia ao MP contra a Prefeitura de Guarulhos-SP

Médico precisou comprar ar-condicionado com dinheiro do próprio bolso para conseguir atender os pacientes no verão
O parlamentar flagrou a farmácia da UBS Vila Fátima fechada por falta de servidores públicos / Foto: Divulgação

Em mais uma fiscalização, parlamentar do PL-SP constatou usuários da UBS Vila Fátima sem acesso a medicamentos de uso contínuo; já no posto de saúde do Jardim Álamo, médico cansou de esperar pela Prefeitura e comprou ar-condicionado com recurso próprio

O vereador de Guarulhos-SP Lucas Sanches (PL) denunciou ao Ministério Público (MP) um rodízio de farmacêuticos em postos de saúde do município. Durante fiscalização na Unidade Básica de Saúde (UBS) Vila Fátima, o parlamentar flagrou a farmácia fechada por falta de servidores públicos. Já no posto de saúde do Jardim Álamo, o bolsonarista foi informado que, para ter como atender agora, no verão, um médico precisou comprar ar-condicionado com dinheiro do próprio bolso. 

Na UBS Vila Fátima, Sanches questionou a funcionária responsável pela gestão da farmácia, que estava fechada durante a fiscalização. A servidora confirmou haver uma espécie de “rodízio” do farmacêutico da Vila Fátima com a UBS Cavadas, localizado na Vila São João. Por conta desta “estratégia”, que teria sido determinada pela Secretaria Municipal de Saúde, a farmácia da UBS Vila Fátima fica fechada por um período do dia, inviabilizando o acesso da população aos remédios:

“A segunda maior cidade do estado de São Paulo não ter farmacêutico para atender a população nas farmácias do município é um absurdo. Em vez de a Prefeitura contratar pessoal, porque dinheiro tem, adota rodízio, fazendo com que um farmacêutico fique responsável por mais de uma unidade. Só que, como é impossível estar em dois lugares ao mesmo tempo, onde ele não está, fica fechado, e as pessoas que precisam de remédio não conseguem ter acesso. Estou denunciando, agora, ao Ministério Público (MP) esta prática”. 

Segundo Sanches, para acabar com o revezamento, é necessário que o governo do prefeito Gustavo Henrique Costa (PSD), o Guti, providencie a contratação com urgência de mais práticos de farmácia, além de farmacêuticos: 

“O posto de saúde que tem farmácia precisa ter uma equipe fixa para manter o local aberto ao público, que já é tão prejudicado pela inoperância da Prefeitura em outras frentes”, complementa o parlamentar bolsonarista. 

Além da denúncia ao MP, Sanches oficiou a administração municipal para regularizar com urgência a situação do posto de saúde da Vila Fátima, que também é alvo de críticas pela falta de medicamentos básicos para o controle da hipertensão (pressão alta), de diabetes e para o tratamento de doenças crônicas.

Só depois do Carnaval

De acordo com servidores da unidade, a espera por remédios chega a até um mês, sendo que, agora, para fevereiro, a expectativa é que a reposição ocorra somente após o Carnaval, por força de recesso na Secretaria Municipal de Saúde: 

“Para se ter ideia, não tem remédio para tratamento do coração. A vida de milhares de guarulhenses está em risco pela irresponsabilidade da atual gestão municipal. A gerência da unidade informou que uma nova remessa de medicamentos só vai chegar após 14 de fevereiro, pois setores responsáveis por este serviço na Secretaria de Saúde ficam em recesso. Só que, quem está doente não pode esperar”, defende Sanches, que é pré-candidato a prefeito de Guarulhos pelo PL. 

Ar-condicionado

Nos últimos dias, Sanches também visitou as UBSs Jardim Paulista, Haroldo Veloso e Jardim Álamo. Nesta última, um médico disse ao parlamentar que precisou comprar com recursos próprios um ar-condicionado, para poder atender a população em condições adequadas:

“Cansei de esperar pela Prefeitura. Se eu não comprasse com o dinheiro do próprio bolso o aparelho, não teria como atender neste calor”. 

Em conversa de Sanches com usuários dos três postos de saúde, as reclamações foram unânimes: estruturas improvisadas, e falta de remédios e de médicos especialistas.

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique Informado!

Siga a Gazeta